| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

CEDETRAN: Portal do Trânsito do Paraná
Desde: 20/02/2010      Publicadas: 228      Atualização: 02/04/2018

Capa |  Acidentes  |  Caminhoneiros  |  Campanhas de Transito  |  Crime ou Dolo  |  Guia do Transito  |  Leis do Trânsito  |  Noticias Recentes


 Caminhoneiros

  27/03/2012
  0 comentário(s)


BR-376 é tormento de caminhoneiros

A ausência de terceiras faixas nos cerca de 60 quilômetros da BR-376 entre Apucarana e Mauá da Serra gera a maior parte das infrações de trânsito cometidas por motoristas de veículos leves e também responde pelos maiores riscos do trecho

BR-376 é tormento de caminhoneiros


BR-376 é tormento de caminhoneiros
Com muitas curvas e nenhuma terceira faixa, trecho de 60 km entre Apucarana e Mauá é apontado como o pior pelos profissionais do volante
Elói de Souza, da Tribuna do Norte - Diário do Paraná

A ausência de terceiras faixas nos cerca de 60 quilômetros da BR-376 entre Apucarana e Mauá da Serra gera a maior parte das infrações de trânsito cometidas por motoristas de veículos leves e também responde pelos maiores riscos do trecho. Relativamente curto, o trajeto registra uma média de fluxo de 6 mil veículos por dia.

Esta é a opinião de caminhoneiros, usuários constantes da pista e testemunhas diárias dos abusos e excessos no trecho. "Ultrapassagem pela direita, pelo acostamento, é direto. É comum. Os motoqueiros então, são os que mais fazem isto", diz o carreteiro Rivaldo Reis Figueiredo, 39 anos.

Sem opção de ultrapassar, os motoristas de carros e caminhões vazios perdem a paciência de ficar atrás dos veículos lentos. "Ai saem para ultrapassar em curva, em faixa contínua. Alguns nem entendem os sinais que a gente dá e tentam podar na hora errada", diz o carreteiro Júlio César Pereira, 45.

Segundo eles, em média, o trajeto deveria durar cerca de 60 minutos, mas é feito geralmente em 90 minutos. "Se sairmos com a ideia de 1 hora de viagem, chegamos atrasados para carregar. Se fosse duplicado, seria tranquilo para todos os viajantes", opina outro carreteiro, Sérgio Bernardes, 45.

Os motoristas ouvidos pela reportagem conduzem bi-trens, veículos com cerca de 70 toneladas de carga. "Nesta rodovia simples, que tem muita curva e subida não conseguimos desenvolver velocidade, quando pegamos embalo, temos que reduzir por causa de curvas. Travamos os que vem atrás", admite Sérgio Bernardes.
  Autor:   diario do parana


  Mais notícias da seção Geral no caderno Caminhoneiros
15/04/2016 - Geral - DNIT volta a fiscalizar peso em rodovias federais
Os veículos abordados nos PPVs terão a documentação conferida para que seja verificada a adequação da carga à nota fiscal. ...
23/08/2010 - Geral - Operação de Combate ao roubo de cargas
apreendidos caminhões, veículos e documentos, que serão periciados. As pessoas detidas e o material retido na operação...
06/02/2013 - Geral - O AGRICULTOR E A SEGURANÇA NO TRÂNSITO RODOVIÁRIO
Máquinas Agrícolas em Rodovias...
06/03/2010 - Geral - Muitas frases
Caminhão na estrada ...



Capa |  Acidentes  |  Caminhoneiros  |  Campanhas de Transito  |  Crime ou Dolo  |  Guia do Transito  |  Leis do Trânsito  |  Noticias Recentes
Busca em

  
228 Notícias